Lutando pela Fé Evangélica. "Procura apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a Palavra da Verdade" 2 Tim 2.15

  Temos de ensinar de forma ativa os nossos filhos e viver a realidade de que é Deus quem define a vida. Ele nos fala e revela a verade sobr...

Temos de ensinar de forma ativa os nossos filhos e viver a realidade de que é Deus quem define a vida. Ele nos fala e revela a verade sobre o que é realmente valioso, sobre aquilo que devemos viver [...], sobre o que vale a pena sermos e fazermos  e sobre o que dá sentido à vida. Mais do que simplesmente corrigir problemas a curto prazo, nós pais, precisamos ter uma visão de instrução formativa que abranja desde a infância até a idade adulta.

Instruindo o Coração da Criança
Tedd e Margy Tripp - Ed. Fiel. p.24

Ira, Arrancando o mal pela raíz, livro escrito pelo Dr. Robert D. Jones apresenta de forma completa e bíblica uma análise aprofundada deste ...

IRA: ARRANCANDO O MAL PELA RAÍZ

Ira, Arrancando o mal pela raíz, livro escrito pelo Dr. Robert D. Jones apresenta de forma completa e bíblica uma análise aprofundada deste mal que assola o ser humano: a ira.
Jones apresenta aqui como ela se desenvolve no coração humano, como se manifesta e como podemos e devemos lidar com ela em nosso dia a dia de modo bíblico.


Avaliação

Vários homens piedosos endossam este livro apontando-o como o melhor material escrito a respeito da ira do ponto de vista das Escrituras. Nele, Dr. Jones mostra como a Bíblia a apresenta, explora suas raízes e oferece uma série de auxílios práticos e estratégias de como podemos e devemos lidar com a ira em nossas vidas.

Indicação
Quem nesta vida nunca ficou irado? Quem nunca "perdeu as estribeiras" ou deu uma "gelada" em alguém. Este livro é justamente para pessoas como eu e você que enfrentam a dura lida de lutar com nossas expressões de ira. 

Também serão ricamentem beneficiadas pessoas que estejam discipulando, ou aconselhando outros que enfrentam este terrível problema da ira.

Ficha Técnica
Autor: Robert D. Jones
Editora: NUTRA PUBLICAÇÕES

Formato: 14x21 cm - 220 páginas - brocura
1 Edição: 2010

Deliberadamente Igreja é de certa forma uma "continuação" do seu livro Nove Marcas de Uma Igreja Saudável onde seus autores ampl...

DELIBERADAMENTE IGREJA

Deliberadamente Igreja é de certa forma uma "continuação" do seu livro Nove Marcas de Uma Igreja Saudável onde seus autores ampliam os conceitos apresentados no livro anterior, mostrando que teologia leva a uma entendimento prático, ou seja, que a teologia fundamenta a prática de uma igreja. Ele não é um manual com técnicas inovadoras, conceitos inéditos e modernos, antes, baseia-se nos conceitos expostos nas Escrituras que modelam o conceito eclesiológico proposto por Deus.

Avaliação 
Este livro chama atenção por vários motivos: 1) vários autores piedosos o recomendam (D.A. Carson, Albert Mohler Jr., C. J. Mahaney, dentre outros); 2) Ele não se propõe a ser um manual pragmático de técnicas novas de transformação, mudança, crescimento e 3) Ele é escrito por pastores que procuram aliar boa teologia a uma prática condizente. Como seus próprio autores descrevem no prefácio este livro trabalha com a premissa que "a igreja será introduzida ao futuro somente quando o aspecto mais notável de sua vida corporativa for a verdade de que ela é poderosamente direcionada pela antiga Palavra de Deus" (p.30)

Indicação
Este livro será imensamente útil a pastores e líderes que anseiam em conhecer um modelo e dicas de uma igreja que procura fazer das Escrituras a centralidade de seu ministério.

Sua abordagem direta, bem estruturada e organizada ele poderá ser um material de estudo da igreja, onde os membros terão oportunidade de pensar, analisar e extrair conceitos das Escrituras que serão aplicáveis à sua comunidade. 

Ficha Técnica
Autor: Mark Dever
Editora: Fiel
Formato: 14x21 - 254p. - brochura
1 Edição: 2008

Como podemos reagir à dramática mudança na perspectiva de nossa cultura sobre o sexo?  A monogamia tem sido considerada antiquada. A pornogr...

DESEJO E ENGANO

Como podemos reagir à dramática mudança na perspectiva de nossa cultura sobre o sexo?  A monogamia tem sido considerada antiquada. A pornografia se infiltra em quase todos os lares. A homossexualidade é aceita. A luxúria tem sido redefinida. A família é uma instituição questionada. 
Neste livro, Dr. Albert Mohler aborda tais temas de modo inteligente e direto. Mohler mostra que a Bíblia, como Palavra de Deus, tem respostas a todos estes questionamentos que assolam a nossa sociedade.

Este livro é uma tentativa de considerar, com base na perspectiva do cristianismo bíblico, vários assuntos controversos e problemáticos sobre a sexualidade. Todos nós temos uma parte nisso, e os cristãos são responsáveis por um testemunho especial quanto ao significado do sexo e da sexualidade. 

Avaliação 

Albert Mohler é um dos melhores teólogos que temos na atualidade que reúne erudição e relevância que podem ser perceptíveis neste livro. Aqui ele aborda a sexualidade com duas vertentes: desmistifica o exagero que nossa sociedade impõe e ao mesmo tempo a coloca verdadeiro lugar pretendido por Deus.

Com capítulos curtos e objetivos ele aborda temas atuais e polêmicos dos nossos dias tais como: a pornografia, homossexualidade, lesbianismo, luxúria, perversidade, procurando abordar a partir da perspectiva das Escrituras, apontando tanto para os perigos que tais abusos à sexualidade apresentam bem como qual a solução dada por Deus para entender e lidar com esta situação.
 
Indicação

Creio que todos os crentes deveriam ler este livro e perceber como nossa sociedade se distancia do padrão deixado por Deus. Seus leitores irão beneficiar-se com sua abordagem e ganharão uma excelente ferramenta para responder a um mundo que se distancia de Deus.

Mohler é corajoso e bíblico ao abordar um tema tão espinhoso, contudo o faz sempre a partir da perspectiva bíblica.

Ficha Técnica
Autor: Albert Mohler Jr
Editora: Fiel
Formato: 14x21 - 132p - brochura
1 Edição: 2009

  No post anterior conversamos rapidamente a respeito de alguns cuidados que nós pais, devemos ter para com nossos filhos, pensando espec...

Filhos - uma herança do SENHOR - 2



No post anterior conversamos rapidamente a respeito de alguns cuidados que nós pais, devemos ter para com nossos filhos, pensando especialmente na forma como nós entendemos o que eles representam para nossas vidas.

A criança quando chega em casa, traz ao casal muita alegria, um renovo, e algumas emoções novas. Mas junto com essa alegria vem uma série de coisas novas:  são as cólicas noturnas, fraldas, choros, amamentação, mudança de rotina, uma correria diária. Muitos sofrem com isso, pois sua expectativa talvez passasse somente pela parte agradável da alegria que o filho traz.

Com os desafios e novidades, ainda precisamos lembrar da frase dita naquela oração: "não faça de seu filho um bibelô!"

Da mesma forma que as alegrias podem nublar a perspectiva correta da paternidade, as dificuldades também podem fazer com que nosso bebê seja tratado como um bibelô.

Pensemos em algumas delas. Fazemos de nosso filho um bibelô quando:

1) Satisfazemos os seus desejos.

Uma criança pequena, especialmente nos primeiros dias, não se comunica senão somente pelo choro. No começo é complicado, pois todos os choros parecem iguais, mas não são. Aos poucos, pais atentos percebem que existem diferentes tipos de choro, especialmente, quando é alguma manha. 
Normalmente uma criança chorará por algumas razões: sono, fome, fralda cheia, ou por não gostar de algo. As três primeiras podem ser identificadas testando, ou seja, colocando-a para dormir, alimentando-a e verificando sua fralda. 

A manha porém, é bem mais sutil, mas pode ser identificada assim: se ela está suprida nas três primeiras e não há alguma doença detectável, provavelmente será alguma manha. Talvez a criança queira ficar no seu colo e não berço, a criança não queira dormir, ou dormir em seu quarto, ou mesmo faça uma cara feia para pessoas que ela não conhece e comece a chorar. Geralmente a criança para de chorar sempre que ela consegue aquilo que ela quer.

Como pais que desejam acertar, precisamos lembrar que nosso papel na paternidade não é satisfazer todos os desejos, antes, é sermos pais piedosos que amam a seus filhos, são carinhosos e pastoreiam a seu filho não fazendo sempre o que ele quer. Por isso, é imprescindível que não procuremos fazer aquilo que ela gosta, mas ensiná-la desde pequena que em nossa vida procuramos sempre fazer o que agrada a Deus e não a nós mesmos.

Portanto, aprendamos a conhecer nossos filhos, não achando que tudo é normal, que ele chora é assim mesmo e que ele precisa sorrir sempre. Não, alguns choros, algumas restrições o ajudarão desde cedo a entender que a vida é regida para que agrademos a Deus e não a nós mesmos.

Na semana que vem, falarei mais um pouco sobre outros aspectos em que devemos aprender a não tratar nossos filhos como meros bibêlos.
 

Gostaria de fazer algumas reflexões a respeito do grande presente que Deus nos deu, a paternidade. Meu desejo é refletir a respeito de al...

Filhos, uma herança do SENHOR


Gostaria de fazer algumas reflexões a respeito do grande presente que Deus nos deu, a paternidade.

Meu desejo é refletir a respeito de algumas considerações importantes das Escrituras e pensar em algumas práticas que deveriam marcar um pai pieodoso.


Ser um pai piedoso é um desafio enorme, talvez o maior desafio confiado por Deus ao homem.  Gostaria de começar pensando com uma importante advertência: Não faça de seu filho um bibelô. 

Esta frase ouvi outro dia enquanto o pastor orava na apresentação de mais uma criança em nossa igreja.
 

Ela é simples, direta, contendo uma séria advertência aos pais, especialmente com crianças mais novas.

Mas, como um pai poderia fazer de seu filho um bibelô?

Creio que podemos pensar em algumas formas e ações que os pais fazem, muitas vezes sem reflexão, com os seus filhos. Consideremos algumas delas:

1) Exibir o filho como um "troféu" diante dos amigos e parentes
 

A chegada de um filho é uma das maiores alegrias que um homem tem na vida, alegria comparável à conversão, ao casamento. Os meses de espera durante a gravidez são marcantes, com suas novidades, expectativas, espera.

Quando ele nasce, a alegria daqueles momentos jamais serão esquecidas. Alegria esta compartilhada com amigos, parentes, irmãos em Cristo. Nesse momento queremos mostrar a todos nosso filho, queremos compartilhar esta alegria e aí muitas vezes fazemos deste incrível momento, um momento de glória pessoal, de conquista, ou qualquer coisa parecida. Sem pensar, exibimos nosso filho como exibiriamos um troféu.

2) Tratar o filho como se fosse a aquisição mais nova da casa.
 

Outra forma sutil de tornar nosso filho um bibelô é tratá-lo como se fosse uma nova aquisição do casal, da família.
 

Isto acontece quando nossa forma de agir para com ele, baseia-se tão somente nele, ou em torno dele e para ele. Na verdade, o problema está nos pais, que desejam e agem a partir de seu filho. Eis alguns exemplos:
 

a. Preocupação excessiva com o bem estar de seu filho a ponto de deixar de fazer e/ou participar da comunhão em sua igreja local.
 

Não me refiro aqui a alguns cuidados que o pai precisa ter com seu filho, mas àquele exagero que faz com que ao menor espirro, faz com que os pais deixem de ir à igreja, visitar um amigo, participar de algum evento e assim por diante. 

b. Não envolver-se com outras pessoas da igreja, fechando-se no mundo de seu filho.
 

A chegada de um filho demanda muitos afazeres que precisam ser cumpridos, tais como, alimentação, higiene, horas de sono, etc. Uma criança é muito dependente de seus pais e requer um investimento grande deles em sua vida. Apesar disto, a vida na igreja e com a igreja continua. Os pais piedosos devem desde pequenos envolverem seus rebentos na igreja. Para isso, precisam e devem envolvê-los juntamente com eles na vida da igreja, não deixando de congregar, de terem os seus ministérios (mesmo que momentâneamente mais restritos).

Mas, o que fazer? Quero sugerir uma alternativa para pensarmos juntos. Isto faremos em um futuro post. Por hora, avalie-se e veja como você entende a paternidade em sua vida, pois eles não são nosso brinquedinho, antes são uma herança do SENHOR (Sl 127.3) confiadas ao nossos cuidados por Deus.

Como o estudo da História da igreja se relaciona com o nosso dia a dia aqui neste mundo? Qual a relação com a igreja? Nesta obra Justo Gonz...

ENSAIOS SOBRE A HISTÓRIA DA IGREJA

Como o estudo da História da igreja se relaciona com o nosso dia a dia aqui neste mundo? Qual a relação com a igreja?
Nesta obra Justo González reúne uma série de palestras proferidas em paíze da América Latina. Em quatro estudos ele mostra como esta matéria se relaciona com outras disciplinas expostas nos seminários.

Avaliação

Justo Gonzáles é conhecido pelos seus livros de História da Igreja, traz uma grande contribuição com a publicação deste livro. Em cinco capítulos, ele trata da relação desta disciplina  no currículo teológico, o seu estudo e aplicação à vida pessoal,  como a história pode se relacionar hoje à vida da igreja.

Este faz uma ponte que raramente outros livros que tratam da história da igreja fazem, pois deixam esta tarefa subentendida para o leitor.Porém aqui, Gonzáles oferece sua perspectiva de como isso pode e deve ser feito, fazendo deste livro uma leitura agradável e instigante.

Indicação 


Por não ser um livro técnico (histórico), ele instiga o leitor a pensar sobre suas propostas. 

Quem gosta de história gostará muito deste livro, pois será desafiado a pensar como relacionar a história antiga aos nossos dias e como relacioná-la a outras disciplinas. 

Àqueles que não gostam tanto da história verão como ela é importante para entender nossos dias e aprender com o passado.


Ficha Técnica
Autor: Justo Gonzáles
Editora: Hagnos
Formato: 14x21cm - 144pg - brochura
1 Edição: 2010